22°C 30°C
Santa Quitéria, CE
Publicidade

Delegado que agrediu mulher após briga de trânsito no Ceará é solto pela 3ª vez

Ele foi preso pela primeira vez no dia 12 de novembro, após agredir uma mulher em público

03/04/2024 às 14h29
Por: Josyvânia Monteiro Fonte: gcmais
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O delegado afastado Paulo Hernesto Pereira Tavares, que foi preso por agredir uma mulher durante briga de trânsito no município de Aurora, no interior do Ceará, foi solto mais uma vez, após audiência de instrução criminal.

Ele foi ouvido junto a testemunhas sobre o caso, e acabou em liberdade após o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) considerar que ele deveria ser solto. Conforme a decisão, o juiz determinou a revogação da prisão preventiva do acusado, pontuando que os motivos que levaram à prisão não mais se sustentam, com a conclusão da instrução criminal do processo.

Em imagens que registraram a ação criminosa, o homem era visto em frente ao carro, após um acidente de trânsito, visivelmente alterado. No vídeo, que circulou nas redes sociais, ele aparece agredindo uma das mulheres, também envolvida no acidente, na frente de agentes policiais.

À época, o MP fundamentou pedido de prisão contra o homem por crime de embriaguez ao volante, lesão à mulher que aparece no vídeo e ainda lesão corporal a um adolescente de 16 anos e a um outro homem, além de ameaças e impropérios proferidos contra as vítimas e aos policiais militares que atenderam a ocorrência. Observou-se ainda que o autuado já é réu pelos crimes de embriaguez ao volante e violência doméstica e ainda é investigado pela prática de outros delitos (violência doméstica e prevaricação).

Paulo Hernesto já estava preso desde o dia 24 de novembro de 2023, suspeito de ter atuado para atrapalhar a investigação da polícia, manipulando testemunhas do caso. Ele já havia sido solto, em audiência de custódia, após uma prisão no dia 12, do mesmo mês, referente ao mesmo caso. O homem é investigado por crime de trânsito, ameaça e lesão corporal e estava descumprindo medidas cautelares impostas após as últimas solturas.

Publicidade
Publicidade
Publicidade