20°C 33°C
Santa Quitéria, CE
Publicidade

Mulher mora em cemitério do Ceará há 21 anos e fala sobre rotina entre túmulos: 'Não tenho medo de quem morreu'

Maria Trindade da Silva, de 64 anos, passou a morar em uma casa localizada no Cemitério Parque da Saudade, em Iguatu, interior do Ceará, com o marido que era coveiro.

03/07/2024 às 14h00 Atualizada em 04/07/2024 às 01h08
Por: Raflézia Sousa Fonte: G1 Ceará
Compartilhe:
Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Maria Trindade da Silva, de 64 anos, mora em uma casa dentro de um cemitério na cidade de Iguatu, interior do Ceará, há 21 anos. Ela se mudou para o local com o marido, Francisco de Assis Vieira Sobral, que morreu há três meses, aos 61 anos. Francisco era o coveiro do cemitério. Ele faleceu após complicações de saúde por uma diabetes e também problemas no pâncreas. Desde então, apesar de ainda morar no mesmo local, Maria conta que passa por dificuldades financeiras.

"Já moro aqui há 21 anos dentro desse cemitério. Vivi com meu marido e ele acabou adoecendo. Foi se agravando mais o problema. Ele acabou falecendo e eu fiquei só. Vivo de doações e estou querendo morar com minha filha no Rio Grande do Norte. Minha vida virou do avesso", comentou ao g1.
Maria e Francisco se conheceram em setembro de 2002. Antes de irem para o cemitério, eles ainda moraram em casas alugadas. Quando ele começou a trabalhar no local, surgiu a opção da mudança.
"Eu pensava que não ia dormir de noite. Imaginava que as almas vinham puxar meus pés. Mas nunca aconteceu e nunca vi nada que me assombrasse. Ando qualquer hora da noite aqui e olha que é escuro que só. Mas não tenho medo de quem morreu, tenho medo de quem está vivo", explicou Maria.
 
Arquivo pessoal

A casa onde mora é simples e lotada de diversos gatos e cachorros (confira vídeo acima). Ela também cuida de animais abandonados que são deixados no local. São mais de cem, segundo ela. A casa fica virada para a rua e um portão a separa dos túmulos. Com o tempo, os dois foram se adaptando à rotina, mas encontraram algumas dificuldades. Maria conta que chegou a adoecer por causa de insetos e outros animais que vinham do cemitério, como aranhas-caranguejeiras.

A filha de Maria mora na cidade de São Miguel, em Rio Grande do Norte. É para lá que a viúva está tentando ir. A família está realizando uma campanha para a mudança. Maria conta que não tem nenhuma fonte de renda. Ela tentou receber a pensão de morte do marido, mas disse que no sistema não consta que ele era contribuinte.

Hoje, ela vive de doações de pessoas que conhecem sua história e moram próximo dela. Francisco era contratado de uma empresa que cuida do cemitério em um formato de concessão pública. Em nota, a empresa Ômega disse que Francisco tinha carteira assinada: "Foi feita rescisão e devidamente pago a viúva e filhos, prestado assistência funeral sem ônus para eles e já foi disponibilizada a ajuda necessária que ela solicitou para quando fosse morar com a filha".

O g1 também entrou em contato com a prefeitura de Iguatu e aguarda resposta. Maria, no entanto, disse que recebeu apenas R$ 500 reais por todos os anos trabalhados do marido. "Durante o dia vou levando a vida, mas quando chega a noite bate a solidão, uma tristeza, um isolamento", disse.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade