22°C 30°C
Santa Quitéria, CE
Publicidade

Simpósio reúne profissionais para debater e capacitar sobre neurodesenvolvimento em Santa Quitéria

O objetivo é capacitar os envolvidos no processo terapêutico das crianças com transtornos e orientar as famílias sobre seus direitos

03/04/2024 às 18h12 Atualizada em 03/04/2024 às 18h13
Por: Raflézia Sousa
Compartilhe:
Thiago Rodrigues/AVSQ
Thiago Rodrigues/AVSQ

Nesta quarta (3/4) e quinta-feira (4/4), acontece na Escola Monsenhor Luís Ximenes, o 1º Simpósio Interprofissional do Neurodesenvolvimento em Santa Quitéria, promovido pela Casa Amiga da Criança. A abertura, na manhã de hoje, reuniu diversos profissionais e especialistas que trabalham diretamente com transtornos de neurodesenvolvimento, além de pais, crianças atípicas, representantes de escolas e autoridades, que reforçam a importância de se ter um olhar especial para este público.

O evento ocorre em meio ao mês marcado pela cor azul, em alusão a conscientização do autismo. Estão sendo abordados, assuntos como diagnóstico, tratamento, função da família no processo terapêutico e como acolher, como agir em determinadas situações, quando a medicação se faz necessária e capacitações para o cuidador e professor.

A coordenadora da Casa Amiga da Criança, Gabriela Fontenele, conta que desde o ano passado, o equipamento passou por uma reorganização, e que atualmente existem seis programas que atendem 391 pessoas dentro do município. Devido a isso, surgiu a necessidade de realizar um simpósio, com objetivo de capacitar os envolvidos no processo terapêutico das crianças com transtornos e orientar as famílias sobre seus direitos.

Sobre a temática, a vice-presidente da APAE, Josy Muniz, afirma que a aprendizagem sobre a condição é fundamental para o desenvolvimento das crianças. A neuropediatra Dra. Tâmara Menezes compartilha da mesma opinião, afirmando que o conhecimento é a principal arma contra o descaso.

Uma das participantes veio de Reriutaba, Mariana Maria, é coordenadora do Clubinho Girassol, espaço voltado para trabalhar com os transtornos. “A gente vem pra se apresentar como profissional, para conhecer novos profissionais e assim a gente criar uma grande rede de apoio também entre os municípios”, relata ela sobre seu interesse em participar.

Publicidade
Publicidade
Publicidade